Área do aluno

Curso de Libras

A LIBRAS é a língua de sinais utilizada pelos surdos que vivem em cidades do Brasil onde existem comunidades surdas. Como toda língua de sinais, é uma língua de modalidade gestual-visual porque utiliza, como canal ou meio de comunicação, movimento gestual e expressões faciais que são percebidas pela visão.

Esta língua expressa ideias sutís, complexas e abstratas. Os seus usuários podem discutir filosofia, literatura ou política, além de esportes, trabalho, moda e utilizá-la com função estética para fazer poesias, contar histórias, criar peças de teatro e humor. Como toda língua, a LIBRAS aumenta seu vocabulário com novos sinais introduzidos pelas comunidades surdas em respostas às mudanças culturais e tecnológicas. Assim, a cada necessidade surge um novo sinal, desde que esse se torne aceito, será utilizado pela comunidade.

Os sinais são formados a partir da combinação do movimento das mãos com um determinado formato em um determinado lugar, podendo este lugar ser uma parte do corpo ou um espaço em frente ao corpo. Essas articulações das mãos, são chamadas de parâmetros. Na combinação desses parâmetrosobtém-se o sinal. Portanto, falar com as mãos é combinar esses sinais que formam as palavras e as frases num determinado contexto. Que são estes:

- Configuração das mãos – são as formas das mãos, que podem ser da datilologia (alfabeto manual) ou outras formas feitas pelas mãos.
- Ponto de articulação – é o lugar onde incide a mão predominante configurada, podendo esta tocar alguma parte do corpo ou estar em algum espaço neutro vertical (do meio do corpo até a cabeça) e horizontal (à frente do emissor).
- Movimento – os sinais podem ter um movimento ou não, pode envolver uma grande quantidade de formas e direções, desde os movimentos internos da mão, os movimentos do pulso, movimentos direcionais noespaço e até conjuntos de movimentos no mesmo sinal.
- Orientação / Direcionalidade – é o movimento em uma direção noespaço, durante a realização de um sinal. Ou realizado por uma ou ambas as mãos.
- Expressão facial e/ou corporal – muitos sinais, além dos quatro parâmetros mencionados acima, em sua configuração têm como traço diferenciador também a expressão facial e/ou corporal. Podem traduzir alegria, tristeza, raiva, amor, encantamento, etc., dando mais sentido a LIBRAS e, em alguns casos, determinando o significado de um sinal. Desta forma, através das mãos é possível dar formas as palavras! Usando gestos da datilologia (ou outras formas) estabeleceremos um canal de comunicação acessível.

Há algumas particularidades simples, que facilitam o entendimento da língua, como o fato de os verbos aparecerem todos no infinitivo e os pronomes pessoais não serem representados, sendo necessário apontar a pessoa de quem se fala para ser entendido. Há ainda algumas palavras que não tem sinal correspondente, como é o caso dos nomes próprios. Nessa situação, as letras são sinalizadas uma a uma para expressar tal palavra, utilizando assim o alfabeto.

A língua de sinais é tão eficaz quanto a oral, pois é plena e tem estrutura gramatical própria, permite a expressão de qualquer significado, pois contém todos os mecanismos adequados de comunicação. No entanto, para ocorrer avanço nesta área, faz-se necessário o estudo da LIBRAS, para que a comunicação entre surdos e ouvintes possa ter um bom entendimento, utilizando assim essa linguagem com maior facilidade.

Justificativa

Em dezembro de 2005 o Presidente Luis Inácio Lula da Silva, sancionou o Decreto 5.626 de 22 de dezembro, que regulamentou a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, sobre a Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS, onde segundo a Lei é reconhecida como meio legal de comunicação e expressão.

As Línguas de sinais não são universais, cada país possui sua própria língua de sinais. A LIBRAS têm sua origem na Língua de Sinais Francesa e como qualquer outra língua sofre as influências sociais e adquire neologismos e expressões que diferem de região para região.

Considerando a língua de sinais como língua materna do surdo, o bilingüismo será, portanto, a abordagem teórica que norteará o projeto. A Língua Brasileira de Sinais se constitui em uma língua em virtude de possuir os níveis lingüísticos como as línguas orais. Estes possibilitam aos seus usuários expressão de todas as formas de ideias, sejam elas sutis, complexas ou abstratas,bem como a discussão de quaisquer assuntos referentes às variadas áreas doconhecimento humano. Como foi mencionado acima, as línguas de sinais não sãouniversais como também não o são as línguas orais.

Hoje, todas as pessoas nesta nova organização convivem no mesmo espaço escolar e na sociedade. Por esta razão, temos que conhecer e oportunizar às pessoas, com ou sem necessidades educativas especiais, o conhecimento de outras formas de comunicação que possibilite a interação com todos.

Em relação as pessoas ouvintes que não se relacionam com os não-ouvintes por não terem o domínio da língua de sinais, verificamos que isso decorre da falta de oferta do ensino desta linguagem. Portanto, é necessário o aprendizado da Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS, para que haja a comunicação entre todos, nesse contexto, a FERA tem papel relevante, pois se propôs a iniciar e sistematizar um projeto que proporcionará aos educandos o aprendizado da língua de sinais para comunicação com surdos.

Conhecer um pouco de LIBRAS só trará resultados positivos para todas aspessoas. Diante do exposto, torna-se imperativo, para os ouvintes, investir na aquisição desta modalidade de comunicação. Refletir e internalizar os sinais torna-se fundamental para aproximar as relações com este grupo tão especial, que interage através de uma língua gestual-visual.

Objetivos

Geral:

- Proporcionar aos educandos o conhecimento e a importância da LIBRAS, identificando as características fundamentais da Língua Brasileira de Sinais, numa proposta bilíngüe, oportunizando através do aprendizado da LIBRAS, desencorajar o medo de relacionar-se com o surdo, dando-lhe bagagem para a comunicação plena.

Específicos:

- Utilizar o alfabeto manual como prática inicial de aprendizagem da LIBRAS;
- Compreender a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) como uma língua natural dos surdos;
- Introduzir o ouvinte à Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) e a modalidade diferenciada para a comunicação (gestual-visual);
- Apresentar noções básicas de teoria e prática da LIBRAS como uma das formas naturais de expressão, comunicação e integração da pessoa surda na sociedade;
- Realizar atividades em LIBRAS que favorecerão o aprendizado da Língua e a sua prática cotidiana.

Todos os semestres abrimos novas turmas

Informações: 3530-4019